Olá, seja bem-vindo(a)! Atendimento ao cliente: (21) 3888-4549
Rastrear minha compra
Meu carrinho
Carrinho Vazio

Sebastião Salgado. Gold, Art Edition, Brasil, 1986


Não disponível

Enviar
Avise-me quando estiver disponível
Sinopse

Por uma década, Serra Pelada, a maior mina de ouro a céu aberto do mundo, evocou o mito do El Dorado. Cerca de 50.000 mineiros trabalharam lá em condições subumanas. Hoje, aquela corrida do ouro brasileira é uma lenda que se mantém viva graças a algumas memórias felizes, muitos arrependimentos dolorosos ... e às fotografias de Sebastião Salgado. Esta edição assinada reúne seu portfólio em preto e branco em reproduções impecáveis de grande porte e alta qualidade. A impressão assinada que acompanha mostra até que ponto a mina a céu aberto se tornou cenário de pesadelos. Um dos documentos históricos mais importantes e duros do Salgado.

Art Edition (nº. 1-100) acompanhada da folha impressa em prata gelatina Brasil, 1986. O livro e a folha são assinados por Sebastião Salgado.

 

Na Serra Pelada com Sebastião Salgado
Portfólio de Salgado sobre a corrida do ouro acompanhado de uma gravura assinada
"O que há com aquele metal amarelo opaco que leva os homens a abandonar suas casas, vender seus pertences e cruzar um continente para arriscar suas vidas, ossos e sanidade por um sonho?" - Sebastião Salgado

Quando Sebastião Salgado finalmente obteve autorização para visitar Serra Pelada em setembro de 1986, após seis anos de obstáculos por parte das autoridades militares brasileiras, ele não estava preparado para enfrentar o espetáculo assustador que o esperava naquele remoto morro à beira da selva. Diante dele havia um grande buraco de cerca de 200 metros de largura por outros de profundidade, preenchido com dezenas de milhares de homens esfarrapados. Metade deles subiu escadas de madeira, carregados com sacos de até 40 quilos, enquanto o restante pulou na lama descendo a encosta para voltar à boca das minas. Seus corpos e rostos eram de cor ocre, manchados pelo minério de ferro da terra em que cavaram.

Depois que o ouro foi encontrado em um dos riachos que o atravessam em 1979, Serra Pelada evocou o mito do El Dorado como a maior mina de ouro a céu aberto do mundo, empregando cerca de 50.000 trabalhadores em condições subumanas. Hoje, aquela corrida do ouro selvagem no Brasil nada mais é do que uma lenda que se mantém viva graças a algumas memórias felizes, muitos arrependimentos dolorosos ... e às fotografias de Sebastião Salgado.

Quando Salgado tirou essas imagens, a cor dominou as páginas das revistas. Preto e branco era um caminho arriscado, mas o portfólio de Serra Pelada marcaria um retorno à elegância da fotografia monocromática na tradição de mestres como Edward Weston, Brassaï, Robert Capa e Henri Cartier-Bresson, que definiram a fotografia inicial. E o meio do século 20. Quando o trabalho de Salgado chegou à The New York Times Magazine, algo extraordinário aconteceu: houve um silêncio total. “Ao longo de minha carreira no The Times”, lembra o editor de fotografia Peter Howe, “nunca vi colegas reagir a um conjunto de imagens como fizeram a Serra Pelada”.

Hoje, com a fotografia nas mãos do mundo da arte e da manipulação digital, o portfólio de Salgado tem uma qualidade bíblica e projeta um imediatismo que o torna totalmente contemporâneo. A mina Serra Pelada está fechada há muito tempo, mas essas imagens transmitem o intenso drama da corrida do ouro.

Esta edição de arte assinada e limitada é a primeira monografia a reunir todo o portfólio. As 80 imagens, reproduzidas em grande formato e da mais alta qualidade, são impressas com a mais avançada tecnologia de High Definition Skia Photography e separadas umas das outras por folhas de papel transparente. A placa autografada que a acompanha, Serra Pelada, 1986, mostra até que ponto a mina a céu aberto se tornou palco de pesadelos. A obra gráfica e o portfólio tornam-se um dos mais importantes e duros documentos históricos de Salgado.

 

Sobre o fotógrafo e autor
Em 1973, Sebastião Salgado iniciou a sua carreira como fotógrafo profissional em Paris e trabalhou para as agências fotográficas Sygma, Gamma e Magnum Photos. Em 1994, junto com sua esposa, Lélia Wanick Salgado, criou a agência de imagens Amazonas, que hoje é seu estúdio e administra exclusivamente seu trabalho. Os projetos fotográficos de Salgado têm aparecido em muitas exposições e livros, como Sahel. O fim da estrada (1988), Outras Américas (1986), Trabalhadores (1993), Terra (1997), Êxodo (2000), Retratos das crianças do êxodo (2000), África (2007), Genesis (2013) , The Scent of a Dream (2015), Kuwait. Um deserto em chamas (2016) e ouro (2019).

Sobre a editora e diretora de arte
Lélia Wanick Salgado estudou Arquitetura e Urbanismo em Paris. Em 1970 interessa-se pela fotografia e, nos anos 1980, passa a conceber e desenhar a maior parte dos livros de fotografia de Sebastião Salgado e todas as exposições da sua obra. Desde 1994, Lélia Wanick Salgado dirige imagens do Amazonas (até 2017) e do seu estúdio em Paris.

Especificações Técnicas
  • ISBN: 9783836575850
  • Editora: Taschen
  • Idioma: Inglês
  • Dimensões: 45 x 41 x 15 cm
  • Páginas: 196
  • Encadernação: Capa Dura
  • Ano de Edição: 2019
  • Autor(a): Sebastião Salgado, Lélia Wanick Salgado
Comentários

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Produtos visitados